Quintas de Vitória


O presente indescritível de Deus

Versículo do dia: Porque, se nós, quando inimigos, fomos reconciliados com Deus mediante a morte do seu Filho, muito mais, estando já reconciliados, seremos salvos pela sua vida; e não apenas isto, mas também nos gloriamos em Deus por nosso Senhor Jesus Cristo, por intermédio de quem recebemos, agora, a reconciliação. (Romanos 5.10-11)

Como recebemos a reconciliação e exultamos em Deus de forma prática? Uma resposta é fazê-lo por meio de Jesus Cristo. Ao menos em parte, isso significa fazer do relato sobre Jesus na Bíblia — a obra e as palavras de Jesus descritas no Novo Testamento — o conteúdo essencial da sua alegria em Deus. A exultação sem conhecimento sobre Cristo não honra a Cristo.

Em 2 Coríntios 4.4-6, Paulo descreve a conversão de duas maneiras. No versículo 4, ele diz que a conversão é ver a “glória de Cristo, o qual é a imagem de Deus”. E no versículo 6, diz que é ver “a glória de Deus, na face de Cristo”. Em ambos os casos você percebe a essência. Nós temos Cristo, a imagem de Deus, e temos Deus na face de Cristo.

De forma prática, para exultar em Deus, você se alegra com o que vê e conhece de Deus na descrição de Jesus Cristo. E essa exultação chega à sua plenitude quando o amor de Deus é derramado em nossos corações pelo Espírito Santo, como diz Romanos 5.5.

Portanto, aqui está a essência do Natal. Deus não somente comprou a nossa reconciliação por meio da morte do Senhor Jesus Cristo (versículo 10), e Deus não apenas nos capacitou a receber essa reconciliação através do Senhor Jesus Cristo (versículo 11), mas mesmo agora, o versículo 11 diz que nós exultamos no próprio Deus por meio de nosso Senhor Jesus Cristo.
Jesus comprou a nossa reconciliação. Jesus nos capacitou a receber a reconciliação e abrir o presente. E o próprio Jesus brilha no embrulho do presente indescritível, como Deus encarnado, e desperta toda a nossa exultação em Deus.

Olhe para Jesus neste Natal. Receba a reconciliação que ele comprou. Não coloque o presente na prateleira sem abri-lo. E não o abra e depois use-o como um meio para todos os seus outros prazeres.

Abra o presente e desfrute dele. Exulte nele. Faça dele o seu deleite. Faça dele o seu tesouro.

 
Para que você creia

Para Meditar: Na verdade, fez Jesus diante dos discípulos muitos outros sinais que não estão escritos neste livro. Estes, porém, foram registrados para que creiais que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para que, crendo, tenhais vida em seu nome. (João 20.30-31)

Sinto muito intensamente que aqueles dentre nós que cresceram na igreja, que podem recitar as grandes doutrinas da nossa fé durante o sono e que bocejam em meio ao Credo dos Apóstolos — que entre nós algo deve ser feito para nos ajudar a sentir novamente o temor, o assombro, a maravilha do Filho de Deus, gerado pelo Pai desde toda a eternidade, refletindo toda a glória de Deus, sendo a exata imagem da sua pessoa, por quem todas as coisas foram criadas, sustentando o universo pela palavra do seu poder.

Você pode ler cada conto de fadas que já foi escrito, cada filme de suspense, cada história de fantasmas, e nunca encontrará nada tão chocante, incomum, misterioso e fascinante como a história da encarnação do Filho de Deus.

Quão mortos estamos! Quão indiferentes e insensíveis à sua glória e à sua história! Quantas vezes eu precisei me arrepender e dizer: “Deus, eu lamento que as histórias que os homens têm inventado comovam mais as minhas emoções, o meu temor, a minha admiração e a minha alegria do que a tua própria história real”.

Os filmes espaciais de nossos dias, como Guerra nas Estrelas e O Império Contra-Ataca, podem fazer esse grande bem a nós: eles podem nos humilhar e nos levar ao arrependimento, mostrando-nos que somos realmente capazes de sentir alguma admiração, reverência e assombro que raramente sentimos quando contemplamos o Deus eterno, o Cristo cósmico e um verdadeiro e vívido contato entre eles e nós em Jesus de Nazaré.

Quando Jesus disse: “Para isso vim ao mundo”, ele disse algo tão fora do normal, incomum, inusitado e misterioso quanto qualquer afirmação de ficção científica que você já leu.

Oh, como eu oro por um derramamento do Espírito de Deus sobre mim e sobre você; para que o Espírito Santo penetre em minha experiência de maneira a gerar temor, para me despertar para a inimaginável realidade de Deus.

Um dia o relâmpago encherá o céu do nascente do sol até ao poente, e nas nuvens se manifestará um semelhante a filho de homem com os anjos do seu poder em chama de fogo. E o veremos claramente. E seja de terror ou de pura excitação, tremeremos e nos maravilharemos sobre como nós vivemos por tanto tempo com um Cristo tão manso e inofensivo.

Estas coisas estão escritas para que você creia que Jesus Cristo é o Filho de Deus que veio ao mundo. Creia de fato.

 
O nascimento do Ancião de Dias

Para Meditar: Então, lhe disse Pilatos: Logo, tu és rei? Respondeu Jesus: Tu dizes que sou rei. Eu para isso nasci e para isso vim ao mundo, a fim de dar testemunho da verdade. Todo aquele que é da verdade ouve a minha voz. (João 18.37)

Esse é um grande texto para o Natal, embora relate o fim da vida de Jesus na terra, não o começo.

A singularidade do nascimento de Jesus é que ele não teve a sua origem no seu nascimento. Ele existia antes de nascer numa manjedoura. A pessoa, o caráter e a personalidade de Jesus de Nazaré existiam antes que o homem Jesus de Nazaré nascesse.

A palavra teológica para descrever esse mistério não é criação, mas encarnação. A pessoa, não o corpo, mas a personalidade essencial de Jesus existia antes dele nascer como homem. Seu nascimento não foi um surgimento de uma nova pessoa, mas uma vinda ao mundo de uma pessoa infinitamente antiga.

Miquéias 5.2 expressa essa verdade, 700 anos antes de Jesus nascer:
E tu, Belém-Efrata, pequena demais para figurar como grupo de milhares de Judá, de ti me sairá o que há de reinar em Israel, e cujas origens são desde os tempos antigos, desde os dias da eternidade.

O mistério do nascimento de Jesus não é simplesmente que ele nasceu de uma virgem. Esse milagre foi intencionado por Deus para testemunhar um milagre ainda maior: o menino nascido no Natal era uma pessoa que existia “desde os tempos antigos, desde os dias da eternidade”.

faltam 2 dias para o Grande dia !!

 
Greve de Natal

Para sua Meditação: Para isto se manifestou o Filho de Deus: para destruir as obras do diabo. (1 João 3.8)

A linha de montagem de Satanás produz milhões de pecados todos os dias. Ele embala os pecados, coloca-os em aviões de carga enormes, voa com eles pelo céu, espalha-os diante de Deus e ri, ri e ri.

Algumas pessoas trabalham em tempo integral na linha de montagem. Outros renunciam aos seus trabalhos apenas num momento e depois voltam.

Cada minuto de trabalho na linha de montagem faz de Deus o estoque de riso de Satanás. O pecado é o negócio de Satanás, porque ele odeia a luz, a beleza, a pureza e a glória de Deus. Nada lhe agrada mais do que quando criaturas desconfiam do seu Criador e o desobedecem.

Portanto, o Natal é uma boa notícia para o homem e uma boa notícia para Deus.

“Fiel é a palavra e digna de toda aceitação: que Cristo Jesus veio ao mundo para salvar os pecadores” (1 Timóteo 1.15). Essa é uma boa notícia para nós.

“Para isto se manifestou o Filho de Deus: para destruir as obras do diabo” (1 João 3.8). Essa é uma boa notícia para Deus.

O Natal é uma boa notícia para Deus porque Jesus veio para liderar uma greve na fábrica de Satanás. Ele caminhou direto para a fábrica, convocou a greve dos fiéis, e iniciou uma grande paralisação dos trabalhadores.

O Natal é um chamado para fazer greve na linha de montagem do pecado. Nenhuma negociação com a chefia. Nenhum acordo. Apenas oposição resoluta e firme ao produto.

A greve natalina visa deixar os aviões de carga no chão. Não usará a força ou a violência, mas com devoção inflexível à verdade, mostrará as condições destruidoras da vida do negócio do diabo.

A greve natalina não desistirá até que uma paralisação completa seja alcançada.

Quando o pecado for destruído, o nome de Deus será totalmente vindicado. Ninguém mais zombará dele.
Se você deseja dar um presente a Deus neste Natal, saia da linha de montagem e nunca mais volte. Tome o seu lugar no piquete[1] do amor. Junte-se à greve de Natal até que o nome majestoso de Deus seja enaltecido e ele permaneça glorioso em meio aos louvores dos justos.

#1: Piquete consiste no bloqueio, por um grupo de trabalhadores em greve, dos acessos ao seu local de trabalho.
Bom dia Igreja!!

 
O Natal existe para a liberdade

Para Meditar: Visto, pois, que os filhos têm participação comum de carne e sangue, destes também ele, igualmente, participou, para que, por sua morte, destruísse aquele que tem o poder da morte, a saber, o diabo, e livrasse todos que, pelo pavor da morte, estavam sujeitos à escravidão por toda a vida. (Hebreus 2.14-15)

Jesus se tornou homem porque era necessária a morte de um homem que fosse mais do que um homem. A encarnação foi Deus prendendo a si mesmo no corredor da morte.

Cristo não se arriscou a morrer. Ele abraçou a morte. É exatamente por isso que ele veio: não para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate por muitos (Marcos 10.45).

Não é de admirar que Satanás tentou desviar Jesus da cruz! A cruz era a destruição de Satanás. Como Jesus o destruiu?
O “poder da morte” é a capacidade de tornar a morte temível. O “poder da morte” é o poder que detém os homens em escravidão pelo pavor da morte. É o poder de manter os homens no pecado para que a morte ocorra como algo terrível.

Mas Jesus despojou Satanás desse poder. Jesus o desarmou. Jesus formou para nós uma couraça de justiça, a qual nos torna imunes à condenação do diabo.

Por sua morte, Jesus apagou todos os nossos pecados. E uma pessoa sem pecado retira Satanás da questão. A traição de Satanás é abortada. Sua infidelidade cósmica é frustrada. “Seu furor podemos suportar, pois eis que condenado já está”.[1] A cruz o traspassou e ele suspirará pela última vez em breve.

O Natal existe para a liberdade. Liberdade do pavor da morte.

Jesus tomou nossa natureza em Belém, para morrer nossa morte em Jerusalém, para que sejamos destemidos em nossa cidade. Sim, destemidos. Porque se a maior ameaça à minha alegria foi removida, então por que devo me preocupar com as menores? Como você pode dizer (em verdade!): “Bem, eu não tenho medo de morrer, mas estou com medo de perder o meu emprego”? Não pode. Não. Reflita!
Se a morte (eu disse, a morte! — nenhuma pulsação, frio, acabado!) — se a morte não é mais um pavor, somos livres, realmente livres. Livres para assumir qualquer risco debaixo do sol por Cristo e por amor. Sem mais escravidão à ansiedade.

Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres.

 


Página 3 de 58

Versiculos

Provérbios, 21:21 - O que segue a justiça e a bondade achará a vida, a justiça e a honra.

Visite-nos

Brasil - São Paulo - SP
Endereço: R. Nova dos Portugueses, 483
(proximo a estação do metro Santana)
Bairro:  Santa Teresinha
Fone: 2236-0720
Email: contato@igrejaplenadagraca.com